Arquivo da categoria ‘Segurança do Trabalho’


Se-você-não-acreditar-em-você-ninguém-mais-vai-acreditar

Fonte imagem: www.dwiblog.com.br

Na área de Segurança encontramos muitas dificuldades, mas a maior delas é convencer as pessoas da importância do trabalho que realizamos. É importante que o profissional tenha confiança no seu trabalho, acredite em si mesmo e tenha convicção no que fala. Quando passamos confiança no que falamos e pautamos esta confiança na legislação e conhecimentos técnicos, conquistamos o respeito de nossos interlocutores, sejam eles patronos ou colaboradores. Por isso é importante estarmos sempre embasados na legislação e falarmos com propriedade do assunto. Não devemos nos afobar quando somos interrogados e não sabemos a resposta, o ideal é manter a calma e dizer que “vou verificar este assunto. É melhor do que falar besteira. Até porque a legislação esta aí para consulta, não precisamos decora-la de cabo a rabo, o importante é saber onde, quando e como consultar. É sempre bom contar com colegas da área mais experientes para ajudar a tirar as dúvidas e manter uma rede grande dos mesmos.

Demonstrar seriedade e valorizar seu trabalho é muito importante, como sempre digo, amar a nossa profissão e passar essa paixão para os outros, muda a forma como somos vistos.

Um carinhoso abraço fraterno!

Andréia Lima


  1. A Segurança no Trabalho deve se preocupar com o bem estar dos colaboradores.
  2. A Segurança no Trabalho deve ir além das cobranças pela utilização de EPI’s.  A preocupação com problemas financeiros ou familiares podem causar acidentes, por isso dar atenção e saber ouvir o colaborador pode evitar acidentes, pois o mesmo desabafa e volta ao trabalho com a cabeça mais tranquila. Saber ouvir é um quesito muito importante, para a função.
  3. A Segurança no Trabalho deve influenciar as pessoas, para que haja um bom ambiente entre os colaboradores, praticar segurança deve ser algo prazeroso e de grande valor para os mesmos, não deve ser imposta, e sim disseminada com conscientização, para que possa ser efetiva, e não apenas enquanto a Segurança estiver por perto.
  4. A Segurança no Trabalho deve estar sempre pronta para receber colaboradores em seu departamento, acolhe-los e tratá-los com respeito, deve fazer parte da rotina de serviços.
  5. A Segurança no Trabalho deve agregar valores para os colaboradores, não deve ser um centro de fofocas e leva e traz entre os departamentos da empresa.
  6. A Segurança no Trabalho deve sempre enaltecer algo positivo, quando alguém fizer um comentário negativo sobre outras pessoas. Deve ser imparcial e buscar sempre o melhor que as pessoas têm a oferecer, relevar os pontos negativos para que os mesmos não atrapalhem o bom relacionamento interpessoal no trabalho. Afinal ninguém é perfeito.
  7. A Segurança no Trabalho deve buscar a melhoria continua, para garantir a saúde e a integridade física dos colaboradores.

Um carinhoso abraço fraterno!

 Andréia Lima

 


De que adianta termos os melhores EPI’s, as melhores proteções de máquinas, se as pessoas envolvidas no processo não respeitam o risco existente no trabalho. A maioria das atividades, que envolvem máquinas e equipamentos, trabalho em altura, espaço confinado, entre outras, são de risco crítico. Podemos dar aos colaboradores, os melhores treinamentos, epi’s, e colocarmos proteções em todas as partes necessárias das máquinas e equipamentos, porém se nossos colaboradores não tiverem a consciência, da importância do uso dos epi’s, de que as proteções de máquinas não podem ser removidas, e que devemos seguir todas as orientações recebidas nos treinamentos, de nada adianta. É importante trabalharmos o comportamental das pessoas, envolve-las com a segurança, ao ponto das mesmas refletirem sobre as atividades que estão realizando. Não podemos achar que o fato de muitas vezes as pessoas, não terem muito estudo ou conhecimentos profundos sobre segurança, que estas não possuem condições  de fazer uma avaliação dos riscos que envolvem a tarefa. Quando sabemos envolver estas pessoas nas análises de riscos, elas são capazes de nos surpreender com os conhecimentos que possuem dos riscos das atividades, quando o colaborador esta envolvido ele da mais valor a segurança no trabalho, automaticamente isto faz com que ele passe a ter um comportamento mais seguro em relação ao trabalho.

Saber motivar os colaboradores com relação a Segurança é fundamental, mostrar para eles que segurança não é apenas cobranças e obrigações, ajuda muito. Vejamos algumas ações que ajudam na motivação para a segurança:

  1. Reuniões diárias ou semanais sobre segurança
  2. Dar a oportunidade dos colaboradores falarem sobre os problemas do setor (voltados para segurança é claro)
  3. Buscar soluções para os problemas, e não fazer falsas promessas
  4. Conquistar a confiança dos colaboradores, através da sinceridade e integridade profissional
  5. Ainda que haja uma placa com os números de dias sem acidentes abrangendo toda a empresa, coloque uma na entrada de cada setor
  6. Preparar um café com segurança, para comemorar por exemplo, os 100 dias sem acidentes no setor
  7. Fazer sorteios de alguns brindes nessas comemorações, ou até mesmo nas reuniões de segurança
  8. Ser motivado em relação aos números de dias sem acidentes, elogiar os colaboradores e dizer quem sem eles não seria possível alcançar estes índices, os fazem sentir importantes e responsáveis , depois de alguns dias sem acidentes os colaboradores passam a curtir os índices, e ninguém quer ser o responsável por zerar o placar
  9. Cuide de cada setor de uma maneira, pois cada líder tem uma maneira de trabalhar, e da condições diferente para a ação do setor de Segurança do Trabalho, respeite o líder do setor, e sempre o envolva nas atividades, isso abrirá os caminhos para desenvolver um bom trabalho.
  10. Seja gentil, simpático e prestativo………

Um carinhoso abraço fraterno!

Andréia Lima


Recentemente li o livro A arte de influenciar Pessoas – Sozinho não se chega a lugar algum do autor John Maxwell, e olhando com os olhos de Técnico de Segurança do Trabalho vi o quanto tem a ver com a nossa profissão. Observando que segurança não se faz sozinho, temos que contar com a colaboração de todos dentro da empresa em que trabalhamos. E o que fazer para conseguir a colaboração de todos no que se diz respeito a Segurança do Trabalho dentro de uma empresa?

  1. Se colocar no lugar da outra pessoa, em vez de colocar as pessoas no lugar que achamos que devem ficar — ou seja, enquadrá-las. Devemos procurar soluções adequadas para as dificuldades quanto ao uso de EPI’s e as demais normas de Segurança, lembrando que algumas pessoas ainda não possuem uma cultura de Segurança no Trabalho, devemos conscientizar e facilitar no máximo a interação dessas pessoas com a segurança, não devemos nos colocar como um obstáculo entre as pessoas e a execução do trabalho, e sim como uma fonte de preocupação com ela , sua integridade física e seu bem estar no trabalho.
  2. Como Técnico de Segurança do Trabalho, se percebeu que há uma questão a ser resolvida, então a responsabilidade de fazer um esforço concentrado para gerar mudança positiva está em suas mãos. Pare de acusar os outros e tentar se justificar. Tente ser fonte de inspiração e exemplo, mostrando a atitude mais apropriada para a ocasião. Tome a decisão de não ser a pessoa que apenas reage, mas a que toma a iniciativa.
  3. Aprenda ater seguidores, inspire as pessoas a sua volta, seja agradável, otimista, tenha sua profissão como uma missão, a missão de garantir a saúde e a integridade física de seus companheiros de trabalho.
  4. Seja um bom exemplo para todos, e mostre com suas atitudes, que Segurança no Trabalho, é algo bom e leve, e não um fardo pesado. Que chegar em casa com saúde e ter uma velhice tranquila é o que no fundo, todos almejamos.

Um carinhoso abraço fraterno!

Andréia Lima


Antes de mais nada gostaria que os colegas de profissão (Técnicos de Segurança no Trabalho), fizessem uma análise de como abordam os colaboradores quando os encontram tendo um comportamento inseguro, sem utilizar os EPI’s entre outras situações de risco. Tenho observado muitos colegas de profissão, que ao invés de se preocuparem em conscientizar os colaboradores, quanto ao uso de EPI’s e a importância do comportamento seguro, se preocupam em mostrar superioridade e que podem coloca-los para fora da empresa. Principalmente quando se tratam de empresas, que contratam terceiros, para realização de serviços de manutenção e obras civis. É impressionante como tem Técnico de Segurança que se acha com o rei na barriga. Estes dias um colaborador veio me contar que, um TST parou em sua frente, cruzou os braços e lhe perguntou de maneira arrogante, você sabe o que esta errado aqui? Pobre do colaborador se sentiu humilhado e não soube responder, pois o mesmo estava no horário de almoço e não foi informado, que deveria fazer o trajeto até o restaurante fazendo uso do capacete e do óculos de proteção contra impacto, pois estava havendo uma manutenção de uma tubulação numa parte do caminho até o restaurante, o que deveria ser avisado previamente para o SESMT da empresa contratada para que comunicasse a todos os colaboradores.

É de suma importância saber abordar os colaboradores, faça um elogio antes de sugerir que o mesmo se comporte de maneira adequada ou faça uso de determinado EPI. Por exemplo, diga ao colaborador, você esta de parabéns em utilizar corretamente os óculos, mas também é importante o uso do protetor auricular, pois o ruido pode causar danos irreversíveis a sua saúde. Seja gentil e mostre que esta preocupado com a saúde e a integridade física do colaborador, e não apenas querendo ser superior e mostrar quem manda aqui, faça dos colaboradores seus aliados e não seus inimigos. Seja firme se preciso, mas nunca grosso ou arrogante. Trate as pessoas com respeito, e tenho certeza que as mesmas saberão retribuir, se comportando de forma segura.

Um abraço fraterno!

Andréia Lima


Observa-se a dificuldade dos colegas que cursam Segurança do Trabalho em conseguirem um estágio e o primeiro emprego.

Quanto ao estagiário verifica-se que algumas empresas não o valorizam como deveriam, algumas nem se propõem a contratar, e as que contratam é para realizar serviços que não tem nada a ver com a função. Não se deve generalizar, mas na maioria das vezes é assim que acontece.  Com certeza se realizar um processo seletivo adequado, é possível  contratar estagiário que possue, um grande potencial e que se lapidado de maneira correta, pode-se revelar um futuro colaborador, capaz de agregar muito ao quadro de funcionários da empresa, se não de imediato, mas em oportunidades futuras. Isso sem contar que tem empresas, com seus profissionais contratados há muitos anos, que não se reciclam, e que poderiam fazer uma excelente troca, com os estagiários, lhes passando sua experiência na área, e absorvendo as atualidades que trazem os que estão estudando.

O primeiro emprego então, infelizmente parece que é quase impossível. Sempre pedem experiência, agora digam, como pode ter experiência, se não há oportunidade de adquiri-la. Existem profissionais formados há tantos anos que vão ao trabalho apenas, para cumprir o horário, não se preocupam com a legislação, com a documentação legal da empresa, com os cronogramas de documentos importantes como PPRA, treinamentos e outros. Enquanto está cheio de profissionais recém formados, querendo trabalhar, com vontade de aprender e por em prática, seus conhecimentos. Aí fica a pergunta, é melhor ter um profissional experiente, acomodado e preguiçoso? Ou ter um recém formado com vontade, determinação e responsabilidade?

Em nem um momento há a intenção de se dizer que profissionais experientes, são acomodados e preguiçosos, mas que existem muitos assim ocupando a vaga de quem merece, e  está ansioso por uma oportunidade, com certeza há. E se souber mesclar a experiência com a vontade de quem esta começando, seria possível criar equipes excelentes, de prevenção a saúde e a  integridade física dos colaboradores.

Um carinhoso abraço fraterno!

Andréia Lima


Quem já passou por aqui, pode perceber que sou apaixonada pela minha profissão e pela benção que é a “VIDA”. Sou a unica mulher na construtora onde trabalho, imaginem como foi para eu conseguir atuar efetivamente na área de segurança, quero compartilhar com vocês algumas dicas que abrem as portas na atuação do Técnico de Segurança.

Dica número:

  1. Conheça as pessoas com quem trabalha : É importante, conhecer o perfil de nossos colegas de trabalho, saber como são profissionalmente. conheça um a um, descubra como cada um gosta de ser tratado. Há sempre aquele que gosta de mandar em todos, inclusive no Técnico de Segurança, estes são ótimos para receberem sugestões e se você for esperto faça o achar que a ideia é dele, ele irá adorar executa-la (afinal veio dele). Se houver oportunidade faça um elogio para o mesmo, quando algum supervisor estiver próximo, ele vai adorar, e se tornará um forte aliado da Segurança do Trabalho. Pense sempre, a Segurança em primeiro lugar, se é preciso fazer politica, faça.
  2. Escolha bem o seu super-herói: Nem sempre quem tem o cargo maior, é que tem influência sobre as pessoas no ambiente de trabalho. Veja quem é a pessoa mais influente no ambiente de trabalho e trate de se aliar a ela, as pessoas com certeza se simpatizaram com você, pois se quem tem influência com eles gosta de você, porque eles não gostariam.
  3. Aja com equidade para com todos: Não deixe de cobrar o uso de EPI’s de algumas pessoas, só porque possuem cargos superiores, lembre-se a segurança vem de cima para baixo, conscientize a gerência, da importância do bom exemplo. E lembre-se você esta proibido de deixar de dar o exemplo, não de abertura para jogarem na sua cara, que nem você faz segurança, e como quer cobrar dos demais?
  4. Não seja um policial louco para pegar o ladrão no pulo: Seja companheiro dos colaboradores, mostre que não esta ali para pega-los no erro, apenas para lembra-los de fazer o trabalho de forma segura e utilizando os EPI’s corretamente. Que esta sempre visando a saúde e a integridade física de cada um deles. Costumo dizer para os meninos que trabalham comigo, que acredito neles e tenho certeza que eu estando perto ou não, vão ter sempre um comportamento seguro. Nem todos devem agir assim, mas com certeza em algum momento devem se lembrar disso.
  5. Seja cordial, mas se preciso aja com firmeza: Procure ser sempre simpático e cordial com todos, mas se não for o suficiente, seja firme e reze a legislação, acompanhada de uma comunicação disciplinar, tem pessoas que só aprendem se assinar um documento.
No mais seja você mesmo, e AME O SEU TRABALHO.
Um abraço fraterno!
Andréia Lima

Há quem diga que a opinião alheia não faz a diferença, já no ambiente profissional não é bem assim. O Técnico de Segurança possui contato com desde o mais alto escalão da empresa, até o mais inferior, isso falando de hierarquia, pois pessoas são pessoas independente da função que exercem, e todos devem ser tratados com o devido respeito. É importante salientar que temos que ter um excelente relacionamento interpessoal com todos dentro da organização. Afinal nosso trabalho é voltado para integridade física de pessoas, e são elas os indicadores de que estamos indo bem em nossa profissão.

Já escrevi no artigo O TÉCNICO DE SEGURANÇA NO TRABALHO DENTRO DA ORGANIZAÇÃO,  que nem sempre somos bem compreendidos , o que nos leva a rever nossos comportamentos e agir em prol de nosso sucesso profissional. Abaixo algumas dicas de comportamento profissional:

  1. Não seja uma pessoa prolixa (que fala muito e não diz nada ).
  2. Não seja uma pessoa monossilábica (que fala pouco e não completa o assunto).
  3. Com pessoas de menor cultura não use palavras extremamente técnicas.
  4. Toda Vez que apontar um problema, aponte também uma sugestão.
  5. Admita que pode estar errado, o problema nem sempre esta nos outros.
  6. Quando em uma dificuldade, enfatize as possibilidades, e não os problemas.
  7. Aceite o direito que as pessoas possuem de ser diferentes umas das outras.
  8. Mantenha-se firme, mas também saiba ceder quando necessário.
  9. Nunca é tarde demais para aprender.
  10. Discorde, mas ofereça alternativas.
  11. Ouça a idéia de todos, os mais simples às vezes surpreendem.
  12. Assuma o erro, quanto mais você tenta se justificar, quando errado, pior fica.
  13. Não tenha a voz mais alta, mas tenha o ouvido mais acurado.
  14. Inspire confiança, seja sempre otimista.
  15. Estude sempre. Lembre-se que o século XXI é o século do conhecimento.
  16. Saiba dizer  “com licença”, “obrigado”, “por favor”, “desculpe”. Pessoas educadas têm maior facilidade de obter sucesso.
  17. Seja aberto para ouvir opiniões, mas lembre-se: quem tem a responsabilidade final de enfrentar a situação e dar respostas é você.
  18. Tenha iniciativa própria, não fique esperando que os outros venham resolver seus problemas.
  19. Tente enxergar as oportunidades nas crises; acredite, elas existem.
  20. Termine tudo o que você começar.
Um abraço fraterno!
Andréia Lima
As dicas acima foram tiradas do livro  de Hélio Roqueto, SST Profissão Perigosa para quem não se prepara, sugerido no artigo anterior,  SEGURANÇA DO TRABALHO PROFISSÃO PERIGOSA PARA QUEM NÃO SE PREPARA .

          O profissional Técnico de Segurança no Trabalho, nem sempre é bem compreendido dentro da organização, para os empregadores é muitas vezes sinônimo de despesa desnecessária, contratado apenas para cumprir a legislação, para os colaboradores é como se fosse a policia pronta para pegar o ladrão em flagrante. Quando na verdade é um agente multiplicador de Saúde e segurança no trabalho, não está ali desnecessariamente, quando atua de forma efetiva, observando a legislação e colocando-a em pratica, é capaz de amenizar e até mitigar problemas futuros de passivos trabalhistas e indenizações exorbitantes. Não é necessário atuar de forma autoritária impondo o uso de EPI’s para os colaboradores, nem tão pouco brigar com o empregador, para que se cumpra a legislação, para ambos os casos basta a conscientização e demonstração dos benefícios advindos da prevenção. Com certeza as sequelas deixadas por um acidente de trabalho, são muito dolorosas para o colaborador, quanto custosa para o empregador. É necessário que tanto o colaborador, quanto o empregador estejam cientes da importância da prevenção de acidentes, e cabe ao Técnico de Segurança no Trabalho, faze-los compreender e entender que esta ali para cuidar da saúde e integridade física do colaborador evitando ações civis e penais, vindas de acidentes ou doenças causadas por fatores que são perfeitamente administráveis. Não é fácil conscientizar ambos, porém é necessário.

Um abraço fraterno!

Andréia Lima

   “Ninguém se escusa (é dispensado) de cumprir a lei, alegando que não a conhece”.
(Artigo 3º Decreto-lei n.4.657/42 da Lei de Introdução ao Código Civil Brasileiro)

No início de maio, a Secretaria de Inspeção do Trabalho oficializou quatro alterações nas normas regulamentadoras. A Portaria 221 modificou o texto integral da NR 23 (Proteção Contra Incêndios), tornando-a mais sucinta e direta. Dos 18 itens que estabeleciam medidas de proteção contra incêndio a serem cumpridas nos locais de trabalho, a norma passou a ter apenas cinco. Já a Portaria 222 alterou a NR 8 (Edificações) em seu item 8.3.6, responsável pelos requisitos de segurança incorporados em trabalhos realizados acima do solo. O novo texto retira a expressão de que o guarda-corpo de proteção contra quedas é necessário neste local, substituindo-a pela ideia de que estes locais devem dispor de proteção adequada contra quedas, conforme normas técnicas e legislações municipais, atendidas às condições de segurança e conforto.

Por sua vez, a Portaria 223 trouxe mudanças para o Quadro II da NR 7 (Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional), que estabelece parâmetros para monitoramento da exposição ocupacional a alguns riscos à saúde. A alteração se deu no método de execução dos exames complementares solicitados para o controle de risco de Aerodispersoides Fibrogênicos e Aerodispersoide Não Fibrogênicos que, a partir de agora, será guiado pelo Anexo II (Diretrizes e Condições Mínimas para Realização e Interpretação de Radiografias de Tórax) do Quadro II, também publicado nesta portaria. O material técnico determina as condições e parâmetros mínimos para a realização de radiografias de tórax que contribuam para o diagnóstico de pneumoconioses.

Data: 14/06/2011 / Fonte: Revista Proteção

http://www.protecao.com.br/site/content/noticias/noticia_detalhe.php?id=JajgJyji